os-melhores-comprimidos-para-emagrecer

Os melhores comprimidos para emagrecer!

Sabe-Se que os comprimidos para emagrecer podem ser complementos em uma dieta focada na perda de peso. Em nenhum caso, os comprimidos podem ou devem substituir a ingestão de alimentos, uma vez que é extremamente importante manter uma alimentação balanceada para garantir um organismo saudável.

Existem muitos comprimidos para emagrecer. No entanto, nem todos estes pequenos drogas funcionam adequadamente e alguns podem até ser prejudiciais para a saúde de quem os consome. Por outro lado, e graças aos números estudos realizados sobre o tema, há pelo menos 5 medicamentos que funcionam de verdade.

Há que ter em conta que de nada adianta tomar esses suplementos se não se fizer uma dieta e alguns exercícios físicos que ajudam no processo de emagrecimento. Em seguida, descubra alguns comprimidos para emagrecer que não funcionam, aprenda um pouco sobre estas e descubra se poderiam ser para você:

GLUCOFAGE (Metformina) OU BYETTA

medicamentos-para-perder pesoSão conhecidas também como Metformina e Adequadamente, respectivamente, são medicamentos que geralmente lhe é prescrito para as pessoas com problemas de açúcar porque se encarregam de diminuir os níveis de glicose no sangue e aumentar a sensibilidade a insulina.

O Instituto Médico de Nova York, descobriram que as pessoas que utilizam esses medicamentos e seguem uma dieta baseada no controle do consumo de hidratos de carbono, não conseguem perder mais 10% de seu peso em menos de um ano. O Byetta é uma injeção e nos diabéticos, consegue a perda de peso de maneira muito eficaz.

Alguns efeitos secundários que podem ocorrer são: diarreia, dor de estômago e náuseas. Estes métodos são usados apenas sob prescrição médica para pessoas obesas e diabéticas. Deve ser administrado sob supervisão médica. Outras pessoas que podem optar por essas drogas seriam as mulheres com síndrome de ovários policísticos ou pessoas com resistência à insulina.

ALLI

O produto anteriormente conhecido como Xenical, é vendido em comprimidos para emagrecer e se toma uma pílula antes de cada refeição (3 ao dia). A base dessas pílulas é o orlistat, que se usa para tratar pessoas com problemas de obesidade. Foi demonstrado sua eficácia e são vendidos sem prescrição médica. Os participantes de uma pesquisa realizada pelo GSK (GlaxoSmithKline) Consumer Healthcare, que utilizaram o medicamento, perderam mais de 50% de seu peso, em comparação com aqueles que só fizeram dieta.

Entre os efeitos dessas pílulas para emagrecer são: diarréia, fezes oleosas e aumento da necessidade de evacuar os intestinos. Se uma pessoa consome muita gordura em suas refeições, estes sintomas podem se intensificar. Devem-Se tomar vitaminas A e D, regularmente, para evitar a falta delas no organismo e, é importante que, quando já se está no peso desejado e adequado de acordo com a relação idade-altura-massa, suspender o uso das pílulas.

MERIDIA

Ao conter a sibutramina, cria um efeito de enchimento ao incidir diretamente sobre os níveis de norepinefrina e serotonina, que ajudam o cérebro a controlar a saciedade. Estes comprimidos também são utilizadas, principalmente, para tratar a obesidade.

Apesar de não estar demonstrado nenhum efeito secundário, essas pílulas têm sido acusadas de serem as responsáveis pelo aumento da pressão arterial e aumentar o risco de um acidente vascular cerebral ou um infarto em pessoas que as consomem. O fabricante destes fármacos assegura e garante que o produto é seguro para consumo.

Se a pessoa sente que nunca está satisfeito com a refeição ao terminar o prato, este medicamento pode ser a solução. O único que você tem que considerar é o custo do mesmo: r $12DÓLARES por mês.

PREVENÇÃO

GLUCOFAGE-OU-BYETTA

Considerando que as publicidades de comprimidos para emagrecer não são obrigadas a publicar seus componentes, demonstrar a sua eficácia e segurança para a saúde, é um erro dizer que todas são boas. Se você sempre deve ter cuidado com o conteúdo dos suplementos, exemplo:

Em 2004, a venda livre de efedrina foi proibida nos Estados Unidos depois de ser demonstrados vários casos de efeitos colaterais, reações adversas, como taquicardia, hipertensão, infartos do miocárdio e alucinações, entre outras.

Chamada cientificamente Citrus Aurantium, a laranja amarga é usado como suplemento dietético. Os medicamentos Advantra Z e Xenadrine EFX a contêm (este último tem uma história de ser de alto risco para a saúde). Em estudos recentes, observou-se que a laranja amarga não parece realmente ajudar na perda de peso.

De preferência, evitar medicamentos que contenham Hoodia Gordonii, esta espécie não tem estudos científicos que justifiquem a sua eficácia na perda de peso, ou que garantam que não provoca efeitos contraproducentes na saúde.

A RECOMENDAÇÃO DOS ESPECIALISTAS

Especialistas da Universidade de Harvard dizem que o melhor é fazer uma dieta saudável, equilibrada e fazer atividades físicas. Sugerem que se querem tomar suplementos, administrados por via natural, ou seja, adição de chá verde ou um copo de leite desnatado extra na dieta.