Os radicais livres produzidos dentro do organismo do ser humano são responsáveis pelo envelhecimento precoce, aumento de doenças como o câncer, catarata e um verdadeiro prejuízo para quem tenta ultrapassar os próprios limites do corpo.

Cada um de nós tem um equilíbrio metabólico. A preservação desse equilíbrio é necessário para a boa nutrição. “A nutrição está para a saúde como um tijolo está para o muro:

os suplementos constituem o cimento. Não se pode erguer um muro sem cimento e, muito menos, sem tijolos.

Também, os suplementos jamais substituíram uma alimentação sadia e equilibrada. Um muro de tijolos, corretamente cimentados, resistirá a qualquer coisa “ressalta Wilson J. Filho, médico ortomolecular.

Nutrientes são substâncias indispensáveis ao crescimento do organismo. A maior parte dela é trazida pela alimentação, e a outra parte é sintetizada pelo metabolismo a bioquímica do anterior do corpo humano.

Os radicais livres (RL) são vilões naturais do organismo, produzidos por reações bioquímicas do oxigênio.

O corpo humano produz RL toda vez que se respira, e essas moléculas, muito reativais e instáveis, ligam-se as que encontram pela frente (proteínas, lipídios, DNA, açucares) e as desestabilizam.

Essas ligações perigosas no corpo humano se repetem indefinidamente, todos os dias, e, como resultado, as células danificam-se, causando o envelhecimento precoce e as doenças.

Uma das definições mais perfeitas dos radicais livres é do Prof. Roy Waldorf, um dos papas da medicina ortomolecular: “Eles são tubarões brancos no nosso oceano biológico”.

O papel dos RL no processo de aceleração de envelhecimento, do câncer, catarata, e outras afecções degenerativas tem sido alvo de pesquisas médicas.

Para combater eficazmente esses inimigos do corpo, grande número de especialistas defende, atualmente, a ingestão de suplementos de vitaminas e de óligo-elementos, embora a questão ainda dividida a opinião médica.

É importante salientar que a vitória sobre os RL é essencial para manutenção de uma vida saudável, sem doenças e com muito mais equilíbrio.

Esses agentes silenciosos também frutos da poluição, radiação, cigarro, álcool, excesso de exercícios e desequilíbrio alimentar, estressam as células que, a partir dos 26 anos de idade, passam a ter respostas orgânicas mais lentas.

O efeito prejudicial dos radicais livres ocorre quando eles estão em quantidade excessiva no organismo, ultrapassando nossa capacidade de neutralizá-los.

Existem dois sistemas naturais de eliminação de radicais livres, que são os chamados “Varredores (scavengers) de radicais livres, que atuam eliminado-os ou, então, impedindo sua transformação em produtos mais tóxicos. Esses sistemas podem ser dividido em enzimáticos e em não enzimáticos.

Os antioxidantes não enzimáticos, em sua maioria, necessitam ser absorvidos pela alimentação diária, ou como complementos nutricionais.

Os principais podem ser divididos em:

  • Vitaminas Lipossolúveis (vitamina A, vitamina E, beta-caroteno);
  • Vitaminas Hidrossolúves (vitamina C, vitaminas do complexo B);
  • óligo-elementos (zinco, cobre, selênio, magnésio etc.);
  • bioflavonóides (derivados de plantas), etc.

As pesquisas cientificas preconizam a aplicação de uma fórmula básica, englobando as vitaminas C e E, o betacaroteno e o selênio, elementos antioxidantes que protegem as membranas das células contra os ataques de vírus e bactérias.

Os neurônios são as células que mais contém gorduras e baixa concentração de antioxidantes, portanto, sofrem mais a peroxidação lipídica ocasionando distúrbios na corrente de impulsos que liberam neurotransmissores, provocando a perda da memória.

Toda pessoa pode minimizar os desgastes naturais provocado pelos RL, com a adoção de medidas simples, tais como:

  • abandono do tabaco (o ato de fumar um único cigarro provoca a perda de 25mg de vitamina C)
  • restrição ao álcool
  • caminhadas diárias
  • uso de protetor solar e cremes hidratantes
  • check-up anual e, principalmente
  • alimentação equilibrada rica em verduras e legumes e sem gorduras, que provocam aumento da taxa de colesterol.

Uma alimentação sem controle pode estimular a formação de radicais livres a partir do metabolismo alimentar.

Nesse caso, pode ocorrer uma ingestão de glicose exagerada cuja conseqüência é provocar a desestruturação das proteínas de sustentação orgânica (glicação) e aumentar a secreção de hormônios, que aceleram o processo de envelhecimento.

O sistema neuroendócrino parece regular a relação “consumo alimentar e efeito sobre o envelhecimento”.

Conheça um caminho para prevenir uma alta produção de radicais livres:

  • Evite uma longa exposição á luz do sol, sem protetor solar;
  • Evite exposição á poluição ambiental;
  • Reduza o consumo de gorduras e eliminar frituras;
  • Consuma quantidade adequada de álcool e elimine o fumo;
  • Evite se estressar no cotidiano (melhore sua filosofia de vida, relaxamento, atividade física constante e adequada, mas não excessiva e alimentação saudável).