O que você precisa saber sobre BDSM
Se tem uma coisa que podemos afirmar sem medo de errar, depois do livro e filme 50 tons de Cinza, as práticas sadomasoquistas durante as relações sexuais  ganharam muitos adeptos que, antes desse enorme sucesso, jamais ousariam experimentar.

Então, você simpatiza com essas práticas? Pretende começar a utilizá-las? Mas será que sabe tudo sobre esse assunto? Em caso positivo, então, deve saber o que é BDSM, certo?

Ok, se você está entrando agora para esse mundo de sexo mais, digamos…apimentado, é quer se inteirar sobre o assunto, não tem problema, basta continuar lendo esse artigo, ok?

Primeiramente, precisa saber o que significa a sigla (que passará a ver muito daqui para frente) BDSM que, na verdade, representa várias práticas e expressões eróticas: Bondage e Disciplina (B/D), Dominação e submissão (D/s) e Sadismo e Masoquismo (S/M).
O que você precisa saber sobre BDSM

Vale saber que BDSM vai muito além de fazer sexo algemado ou dar e levar tapas, mas também inclui roupas, costumes e dinâmicas de relacionamento.

Se estiver disposto a entrar para esse mundo BDSM esqueça o famoso “papai-e-mamãe” ou, em um contexto BDSM, chamado de “baunilha”.

No universo BDSM todos os tipos de fantasias, práticas e expressões são permitidas e, acredite, por mais malucas ou obscuras que possam ser as suas fantasias (como atração sexual por melancias, por exemplo), pode ficar certo de que outras pessoas compartilham desse mesmo fetiche.

O que você precisa saber sobre BDSM

O que você precisa saber sobre BDSM
Bem, agora já sabe o que quer dizer BDSM e que nessa prática tudo é permitido, agora precisa conhecer alguns dos elementos que compõem o BDSM:

  • Bondage é a prática de amarrar pessoas, aí vale tudo, desde amarrar por prazer erótico, pela estética. Existem várias técnicas e cada uma com objetivo diferente, podendo ser com cordas, correntes, algemas… E a loucura por essa prática é tão grande que muitas pessoas sentem prazer até mesmo ao se auto amarrar, ou seja, praticando nelas mesmas.
  • Disciplina está relacionada ao ato de disciplinar, mesmo que de forma consentida. Embora essa prática seja muitas vezes feita com tapas ou espancamentos, também pode ser feita impedindo a pessoa de, por exemplo, comer o prato favorito ou assistir televisão.
  • Dominação e submissão nessa prática uma pessoa se submete a outra, que toma o controle da situação. É o caso de alguém que permite que outra pessoa o amarre, humilhe, espanque e mande fazer coisas, por objetivos que podem ser ou não só sexuais.
  • Sadismo dentro do BDSM é bem diferente do que todos conhecem por aí, de pessoas que praticam atos cruéis, de estupros ou até serial killers, na verdade, são pessoas que gostam de um tipo de sexo seguro e consentido onde podem causar dor em seus parceiros.
  • Masoquismo é quando a pessoa, ao contrário do sadismo, gosta de receber dor, que sente prazer em sentir dor, prazer esse que não é necessariamente erótico.

HISTÓRIA DO BDSM
O que você precisa saber sobre BDSM
Agora vamos navegar um pouco pela história dessa prática, que se engana que surgiu com Christian Grey, na verdade, ela data de séculos. Na verdade, esses termos sadismo e masoquismo são “homenagens” aos escritores Marquês de Sade e Leopold von Sacher-Masoch.

Marquês de Sade foi um filósofo francês que passou grande parte da vida preso e isolado devido às suas obras eróticas, que contavam histórias de mulheres torturadas por prazer.

Enquanto, Leopold Masoch foi um jornalista austríaco, que em uma de suas obras, mostrou um personagem que atingia o orgasmo ao ser espancado e humilhado pelo amante da esposa.

Mas, apesar disso, o fato é que nem Sade nem Masoch e, nem mesmo, Christian Grey são os precursores do BDSM e ainda não há um consenso sobre a origem exata das práticas BDSM, embora já houvessem práticas semelhantes há muitos séculos. Acredite, desde a Grécia Antiga até o Kama Sutra há referências de sadomasoquismo e dominação e submissão eróticas.

Porém, vale saber que muitas dessas práticas retratadas em registros históricos não são aceitas no BDSM atual, já que essa prática hoje se baseia, acima de tudo, na segurança e no consentimento. Aliás, essa é uma questão muito importante, mesmo que sejam usados instrumentos de tortura, vale lembrar que todos os tipos de torturas cruéis, perigosas e feitas à força, sem consentimento, não podem ser consideradas de BDSM.

As fantasias e práticas mais comuns

O que você precisa saber sobre BDSM
Como é possível imaginar, justamente, por não ter regras e por tudo ser permitido (desde que com o consentimento do parceiro), as fantasias e práticas dentro do BDSM são infinitas, certamente, não caberiam todas dentro de um só artigo, por isso, pode ser que a sua fantasia não seja citada, ok? Mas, acredite, provavelmente, devem existir muitas pessoas que compartilham dos mesmos fetiches que você, não importando o quanto sejam estranhos.

O fetiche por roupas, certamente, tem que ser o primeiro item da lista, e, geralmente, acontece com roupas de látex ou de couro. Além de muitas pessoas sentirem prazer simplesmente pelo fato de estarem vestidas dessa forma, essas roupas são um dos aspectos mais fortes da subcultura BDSM e são exigidas como regras de vestimenta em algumas festas.

Castidade é uma fantasia também muito comum, e como o próprio nome sugere, é quando o dominador priva o submisso de qualquer contato erótico ou sexual. Pode ser feito com o uso de cintos tanto para mulheres quanto para homens, que impedem o contato do genital com qualquer coisa, ou pode ser somente exigido do submisso sem nenhuma restrição física impeditiva. A castidade pode durar algumas horas ou vários meses.

Medical Play, nessa fantasia, se simula uma consulta médica onde o submisso assume o papel do paciente e fica vulnerável aos exames intrusivos do dominador. Geralmente, são usados muitos equipamentos, como sondas ou estimuladores elétricos.

Supremacia feminina é uma fantasia onde os praticantes acreditam que as mulheres são líderes naturais dos homens.

Não-consensualidade consensual, pode soar estranho, e é, na verdade, é quando um submisso aceita que o dominador ultrapasse os seus limites preestabelecidos. Geralmente, o submisso consente que o dominador explore a sua sexualidade independente de seu conforto e entusiasmo iniciais.

Edgeplay são brincadeiras consideradas mais pesadas e até perigosas. Geralmente essas práticas saem do controle do dominador e exigem extremo cuidado e conhecimento dos participantes. Por exemplo, brincadeiras com eletricidade, lâminas, fogo ou substâncias químicas são formas de edgeplay.

Age Play, nessa prática,  o submisso interpreta uma criança ou um bebê, sendo comum que o submisso seja depilado e forçado a utilizar fraldas, para provocar a sensação de humilhação e vulnerabilidade de um bebê de verdade. A premissa das brincadeiras é que a criança se comportou mal e precisa ser punida.

Pet Play, nessa prática, o submisso se comporta como um bicho de estimação do dominador, que pode ser qualquer um, como um gato ou um cachorro, e as brincadeiras incluem o uso de utensílios como coleiras ou brinquedos.

Pony Play é uma forma mais específica de Pet Play, nesse caso, o submisso assume o papel de um cavalo ou pônei. O dominador pode montar no submisso e usar celas, rédeas e chicotes. Alguns grupos realizam corridas de pôneis humanos.

O que você precisa saber sobre BDSM
Chuva dourada, nessa prática, se tem muito prazer tanto em urinar em cima de um submisso, quanto receber a urina.

Ordenhar a próstata é à prática de estimular a próstata sem encostar no pênis, provocando a expulsão de esperma sem proporcionar um orgasmo.

Cock and Ball Torture (tortura do pênis e escroto), geralmente abreviado para CBT, nessa prática o objetivo é causar dor ou desconforto intenso no pênis. Podem ser usados chicotes, prendedores …

Urethral Play é a penetração com sondas uretrais, o que pode causar uma dor intensa, mas também pode proporcionar muito prazer.

Face-sitting, nessa prática, o dominador ou dominadora senta no rosto do submisso para obrigá-lo a estimular o genital ou ânus oralmente.

BDSM vicia?

O que você precisa saber sobre BDSM
Entre os muitos tabus ou mitos a respeito de BDSM, um deles é de que quem começa a praticar nunca mais consegue fazer sexo baunilha, como é chamado o bom e velho papai e mamãe. Porém, isso não é verdade, o fato é que tudo que é bom pede bis, não é mesmo?

O fato é que ninguém é obrigado a praticar o BDSM toda vez que faz sexo, muito pelo contrário, muita gente pratica o BDSM só de vez em quando, continuando com as relações baunilha na maioria das vezes. Por outro lado, algumas pessoas incorporam alguns elementos fetichistas em suas vidas sexuais, mas mantêm uma vida perfeitamente comum em todas as esferas.

Também, há quem separe completamente seus desejos BDSM do relacionamento afetivo, fazendo sessões com outras pessoas em horário e local marcados, sem, no entanto, envolver o parceiro. E acredite, é cada vez mais comum pessoas manterem relacionamentos de dominação e submissão pela internet, sem jamais se encontrarem pessoalmente.

Enfim, são muitas as  possibilidades para quem quer se iniciar no universo BDSM, até mesmo, sem precisar mudar radicalmente sua vida sexual.

Como apimentar a relação usando BDSM?

Que tal dar um up em sua relação? Saiba que com o BDSM isso é possível. Ok, você até gosta da ideia de ser amarrado, mas não quer sentir dor? Não tem problema, pois no BDSM não há papéis rígidos, ou seja, todo mundo pode fazer o que quiser, desde que o parceiro (a) permita, claro. É possível dominar sem necessariamente disciplinar, assim como sentir dor sem ser humilhado, ser amarrado, humilhado sem até nenhum objetivo sexual. E mais, é possível, até mesmo,  praticar com quantas pessoas quiser, onde quiser e do modo que bem entender.

O que você precisa saber sobre BDSM

No BDSM, você pode ser o que bem quiser, variar de papel e mesclar elementos de quantos fetiches desejarem. A sua fantasia não tem limite, basta encontrar pessoas que pensam de forma parecida com a sua.

Enfim, abra sua mente, BDSM, ao contrário do que muitos pensam, não é coisa de gente “doente” e “tarada”, acredite, a maioria dos praticantes são pessoas perfeitamente “normais”, que estudam, trabalham, namoram e são, até mesmo, casadas.
O que você precisa saber sobre BDSM
A grande verdade é que quase todas as pessoas usam pelo menos alguns elementos BDSM em suas vidas sexuais, portanto, esqueça o preconceito e dê asas ás suas fantasias.