Pele-o-órgão-fronteiraPele, o órgão fronteira

A pele é muito mais do que o belo revestimento do corpo. Trata-Se de um dos órgãos mais importantes do organismo e em que se pode refletir o estado de saúde em geral. A pele é o limite físico com o mundo exterior e também é uma barreira que nos protege de agentes patógenos que podem dar por dentro.

Regula a nossa temperatura, armazena água e gordura e a ela cabe a sexta parte de nosso peso corporal. Tudo o que acontece em sua superfície: uma mancha, um granito, abcesso, tumor, etc., pode ser o reflexo de tudo o que acontece em nosso interior, seja física ou emocionalmente, por isso as suas funções são tão importantes e o seu cuidado vai além de um mero assunto de beleza.

Uma prova de que a pele pode ver o nosso estado físico ou emocional é o comportamento que ela tem diante de certas emoções: fica vermelha quando sentimos vergonha, sentimos raiva, quando temos medo, suar quando temos medo ou empalidece quando recebemos uma má notícia. Por isso é que agora, os dermatologistas recomendam aos seus pacientes que combinem os seus tratamentos com a terapia psicológica.

A razão é que, agora se sabe que a pele é uma rede complexa que para manter-se saudável tem em conta não apenas a ciência, mas também as emoções e a personalidade: “está muito conectada com o sistema nervoso e até se poderia dizer, por neurotransmissores que produz, que se trata de um cérebro periférico”, diz Jorge Ulnik, Médico psiquiatra e professor de psicodermatología.

Entre os problemas mais comuns da pele são:

Dermatite. Erupção de caráter crônico que se dá em certas pessoas com pele sensível. Sob a denominação de eczema ou dermatite incluem todas as lesões de pele que causam coceira e são vermelhas, descamativas e exsudativas.
Xerosis. É a secura extrema da pele que pode causar coceira. Ocorre com freqüência no inverno e é mais comum em pessoas com Diabetes mal controlada.
Câncer de pele. Trata-Se de tumores que crescem na pele. De acordo com a Federação Mexicana de Dermatologia (FMD) é o segundo câncer mais comum no México, que pode ser evitada até 78% com o uso de bloqueadores solares desde a infância.
Prurido. Coceira em várias áreas da pele. Constituem 53% das consultas médicas dermatológicas em nosso país.
Pé-de-atleta. Apresenta-Se com mais frequência entre os homens, em 60% e pode causar coceira e descamação da pele entre os dedos.

As pessoas com Diabetes são muito mais sensíveis a ter problemas na pele, devido aos elevados níveis de glicose no sangue, que fazem com que tenham maior probabilidade de desenvolver infecções a nível cutâneo, já que o Diabetes altera o sistema imunológico, diminuindo a capacidade do corpo para combater infecções.

O excesso de açúcar no corpo predispõe o aparecimento de infecções na pele, especialmente as relacionadas com o fungo. Além disso, quando a Diabetes é de longa evolução afeta os vasos sanguíneos, o rim, o coração e para a pele .

Existem doenças cutâneas associadas com a Diabetes, como o Granuloma Anular Disseminado, que se caracteriza por manchas atróficas (a pele muito fina) hiperpigmentadas, ovais ou redondas. Também existe a Necrobiosis Lipódica Diabeticorum, a qual está relacionada com a presença de lesões de cor laranja ou ocres que aparecem nas espinhas e ocorrem com maior frequência em mulheres. Em geral, as pessoas com Diabetes podem ocorrer prurido, pele espessa e amarela, unhas amareladas. Às vezes, ocorre a presença de lesões roxas ou, também, a pele torna-se vermelha.

Dicas para sua pele

  • Controle os seus níveis de glicose
  • Use sabonetes neutros
  • Secar bem a sua pele
  • Umedeça com creme ou óleo de amêndoas doces
  • Se notas mudanças, dirija-se com o seu Médico

Artigos relacionados

  • Diabetes e pele
  • Cuide de sua pele
  • O pele seca?
  • O que é psoríase?
  • A saúde de sua pele
  • Para uma pele incrível!!!