mamografia

Mamografia só pode ser realizada 4 semanas após vacinação?

mamografia

Se você foi vacinada e tem um exame de mamografia marcado para ser feito, você tem então um impasse pela frente.

Isso porque recomendou-se que exames de mamografia esperassem ao menos 4 semanas para se realizarem depois da imunização da covid.

A vacina da covid é algo muito importante e que merece uma certa prioridade no momento em que vivemos, onde uma pandemia mundial ainda é bem recente.

No entanto, é importante que as pessoas cuidem de sua saúde também, sem deixar de fazer exames. Mas é preciso ficar atento quanto as recomendações a seguir. Se você quer saber mais sobre este assunto, leia este conteúdo.

Quais cuidados exigem o exame de mamografia em quem já passou pela vacinação?

A notícia que informa que é necessário esperar por volta de 4 semanas depois de ter sido vacinada para o exame de mamografia, foi uma recomendação da SBM (Sociedade Brasileira de Mamografia).

No entanto, uma situação não invalida a outra. Apenas se torna preciso respeitar esse intervalo entre as ações. O motivo de ter que esperar é para que a vacina não afete o diagnóstico de análise da mama.

Então, se você precisa passar por um exame de mamografia e está perto de se vacinar ou já se vacinou recentemente, procure saber o intervalo entre a vacinação e o exame para que tudo aconteça de modo adequado.

Em relação a segunda dose, o mesmo critério se estabelece. Mas isso não quer dizer que tenha algum problema em relação a vacina, muito pelo contrário.

Por que deve-se esperar tanto tempo?

A vacina é completamente segura e faz parte do plano de saúde mundial para que a população possa voltar a viver normalmente.

A única questão quanto a espera é por conta da reação normal que uma pessoa pode ter, que é chamada de linfonodopatia na axila.

Esses, são pequenos nódulos que estão espalhados no corpo. Muito comum de se encontrar na área cervical, axila e área da virilha.

Pode-se dizer que os linfonodos são os filtros do nosso organismo. Sendo assim, quando encontram com algo que consideram agressivo e que pode causar algum mal, eles tentam impedir isso e geram anticorpos.

Quando se produz o anticorpo, o aumento de volume desses nódulos cresce. Eles são popularmente conhecidos como íngua e aumentam quando estão em processo inflamatório ou infeccioso.

No entanto, aumentam de tamanho também quando há a aparição de um câncer. Por isso que há uma preocupação ao fazer o exame de mamografia.

Isso porque é preciso saber se o nódulo tá em processo de inflamação ou infecção, ou se ele tá maior por conta de um câncer. Fazer o exame sem que isso esteja claro pode comprometer o laudo.

Por que a vacina causa essa reação?

Não são todas as vacinas que podem fazer isso, mas algumas acionam essa reação no corpo e fazem com que o aumento desses linfonodos apareça.

Como a vacina da covid se aplica no braço, a área que vai responder a essa reação é a da axila. Como o exame de mamografia pega muito essa região, a detecção de um nódulo pode criar suspeitas de câncer.

As vacinas que possuem uma resposta imunológica um pouco mais forte como a de sarampo, varíola, influenza acabam fazendo com que os linfonodos aumentem nessa área.

Como a vacina da Covid é uma vacina forte para impedir que o vírus gere morte ou complicações graves para quem o adquire, é certo que os linfonodos aumentem na área da axila.

Mas isso não é um problema. Como explicamos, esses nódulos aumentam por conta do sistema imunológico agindo. A única questão realmente é quanto a visibilidade deles durante o exame.

Para que então não se possa causar uma preocupação desnecessária, ou que tenha que fazer exames de ultrassom para investigação, é recomendado que se espere esse intervalo de 4 semanas.

Quais são as recomendações necessárias?

Em caso do paciente não saber esse tipo de informação, é preciso que a clínica onde vá ocorrer o exame, antes de tudo faça a pesquisa para saber se a mulher foi vacinada recentemente.

Em caso do exame ser feito mesmo que se tenha tomado a vacina, os profissionais classificarão esses linfonodos como categoria 3.

Ela é a categoria de observação e uma vez estando nessa categoria, se faz necessário repetir os exames cerca de 12 semanas depois da segunda dose ter sido aplicada.

Somente assim terá a certeza de que o inchaço desapareceu. Em caso positivo, ele era por conta da vacina, se não, haverá a investigação por biópsia para checar se o nódulo é benigno ou não.

O segundo exame só pode ser feito depois desse período de espera, senão ocorrerá o mesmo dilema e outras intervenções serão tomadas.

A reação causada pela vacina não precisa de um tratamento, basta apenas esperar. Mamografia e ultrassonografia podem ter resultados distintos por conta do inchaço.

Isso porque ambos se tratam de exames de imagem. No entanto, a biópsia é o meio de detecção invasiva, que retira parte desse nódulo para análise.

Para que o desgaste acabe sendo evitado, é muito melhor que a mulher se informe sobre esse aviso e que a clínica também passe esse tipo de informação.

Isso porque ter um diagnóstico correto é vital para que nenhum tipo de preocupação aconteça e não se crie um falso alerta.

Além disso, quem tiver de fazer esse exame, ainda que tenha que esperar um pouco, faça quando esse período passar, pois doenças como o câncer de mama evoluem de maneira rápida.

Sendo assim, é importante não deixar o cuidado da saúde de lado.

Conclusão

Por fim, vimos então que o exame de mamografia é importante mas deve esperar para se realizar em caso da mulher ter sido vacinada recentemente.

O período de 4 semanas é o suficiente para esperar que os nódulos desinchem e que o exame ocorra sem nenhuma interferência dele.

Conte aqui nos comentários se você já sabia sobre esse tipo de informação e se tem ainda alguma dúvida a respeito dela. Não se esqueça também de compartilhar este conteúdo com mais pessoas.