tratamento para diabetes

O impacto dos tratamentos para a Diabetes no desenvolvimento de câncer?

O objetivo principal dos tratamentos para a Diabetes é manter os níveis de glicose no sangue em valores normais, com isso, reduz ao mínimo o risco de complicações associadas com o Diabetes. Entre os diversos fatores que Médicos e pacientes têm em conta ao escolher os tratamentos para a Diabetes, recentemente foi considerada a questão do risco de câncer com os tratamentos contra a Diabetes.

5% das pessoas com Diabetes apresentam Diabetes tipo 1, a qual se deve à destruição das células beta do pâncreas, o que gera a perda da produção de insulina e a necessidade de tratamento com insulina para o resto da vida.

A Diabetes tipo 2 apresenta-95% das pessoas com Diabetes e move-se do estado prediabético, caracterizado por resistência à insulina (hiperinsulinemia), a Diabetes franca, com resistência à insulina sustentada, acompanhada pela redução progressiva da secreção de insulina.

A hiperglicemia do Diabetes tipo 2 é progressiva e precisa, com o tempo, o emprego crescente de agentes farmacológicos e tratamento permanente com insulina, em cerca de metade dos pacientes.

Os medicamentos que são utilizados para controlar a Diabetes são:

pilulaMetformina. É o tratamento mais freqüente em pacientes com Diabetes tipo 2 e, muitas vezes, é a receita como fármaco inicial. Os resultados de um número crescente de estudos observacionais sugerem que o tratamento com metformina (em relação com outros hipoglucemiantes) está associada com diminuição do risco de câncer ou de mortalidade por câncer.

Tiazolidinedionas. Ainda não há dados definitivos em seres humanos sobre o risco de câncer associado com estes medicamentos. Secretagogos de insulina.

Secretagogos. Os que se empregam são as sulfonilureas e as glinidas. Alguns estudos de observação também encontraram maior risco de câncer ou de morte por câncer entre as pessoas com Diabetes que recebiam tratamento com sulfonilureas em relação com aquelas tratadas com metformina ou outros medicamentos antidiabéticos.

Embora seja possível que a associação entre as sulfonilureas e o risco de câncer seja genuína, é difícil determinar se estes dados refletem mais câncer entre os que recebem secretagogos ou menor risco entre os que recebem outros medicamentos, entre eles metformina.

Não há dados publicados que mostram a associação entre as glinidas e o risco de câncer, talvez porque são medicamentos mais novos e a sua utilização é menos frequente. Insulina e análogos da insulina.

Insulina. É necessária para todos os pacientes com Diabetes tipo 1. É também necessária para muitos pacientes com Diabetes tipo 2, a fim de tratar a hiperglicemia, em parte devido à perda progressiva da função das células beta do pâncreas. Até o momento, não existe evidência alguma de que o uso de insulina de elevar o risco de câncer.

O que falta saber?

A maioria dos estudos têm poder limitado para detectar associações modestas, especialmente para os tumores em posições específicas. Outra limitação dos estudos de observação é a natureza progressiva da Diabetes tipo 2, que exige mudanças no tratamento conforme avança o tempo e aumenta a complexidade dos estudos de resultados distantes, como a incidência do câncer.

Por outro lado, alguns medicamentos para a Diabetes que são de aparecimento recente, como, por exemplo, as tiazolidinedionas, os análogos de insulina e os tratamentos com incretina e, portanto, os estudos desses medicamentos só devem avaliar o risco de câncer associado com o emprego por um período de tempo relativamente curto.