glilafage-emagreceNum momento em que as pessoas estão cada vez mais focadas em emagrecer com menos esforço pode ser muito atraente a ideia de conseguir eliminar alguns quilinhos com a ajuda de medicamentos.

Nesse contexto alguns medicamentos que tem outras funções são listados como potenciais emagrecedores.

Um caso desse é o do Glifage que tem como principal ingrediente cloridrato de metformina recomendado para o tratamento de pacientes de diabetes tipo e alguns casos de diabetes tipo 1.

Sabendo do risco de usar medicamentos que não são específicos para emagrecer para essa finalidade é essencial fazer algumas considerações.

Continue lendo para entender melhor o que é o Glifage e se ele realmente emagrece mesmo. Tenha sempre muito cuidado em começar tratamentos com medicação sem o aval de um médico.

O que é o Glifage?

O Glifage é um medicamento indicado especialmente para pacientes com diabetes tipo 2 porque ele atua combatendo o processo de hiperglicemia que é o excesso de açúcar no sangue.

Pessoas que tem esse tipo de diabetes produzem insulina, mas suas células se tornam resistentes a esse hormônio de maneira que o açúcar acaba ficando solto no organismo causando uma série de problemas.

O papel desse medicamento no organismo de um diabético é contribuir para que as suas células se tornem mais sensíveis a ação da insulina. Além disso, o Glifage ainda aumenta o consumo de glicose pelas células e ajudam o fígado a aumentar a síntese desse hormônio.

Compreendendo o que é o Glifage e para que ele serve é fácil entender porque seu uso indiscriminado para finalidades estéticas é muito perigoso.

Gligafe emagrece mesmo?

remédios que fazem emagrecerQuando pensamos numa pessoa diabética que faz uso de Glifage ele pode realmente ajudar a emagrecer. O diabetes tipo 2 tem ligação íntima com o ganho de peso e obesidade, pois além de sobrepeso ser um fator de risco para o desenvolvimento da doença a mesma pode causar esse acúmulo de gorduras.

Uma pessoa que tem esse tipo de diabetes tem seu corpo travando uma luta constante para fazer com que suas células deixem de resistir a ação da insulina e acabam sintetizando mais do hormônio.

A insulina aumenta a capacidade do corpo de armazenar gordura, então ter uma grande quantidade desse hormônio que não é usado é um grande risco. O diabetes ainda apresenta como um dos seus sintomas sensação intensa de fome de maneira que o indivíduo acaba abusando dos alimentos.

A partir do momento que o Glifage age resolvendo essas duas questões por meio do controle da resistência a insulina é normal que o paciente elimine peso. Estudos com pacientes diabéticos que tomavam Glifage constataram que eles sentiam menos fome e que tinham menos acúmulo de gorduras no corpo.

Atenção

Glifage não é produzido com o objetivo de ser um medicamento emagrecedor, nem mesmo para os diabéticos. A perda de peso é apenas uma consequência do organismo trabalhando de maneira mais saudável e em termos quantitativos o peso eliminado não é tão significativo quanto se pode esperar.

A eliminação de peso pode ser intensificada através da mudança de estilo de vida, pois em geral pessoas que desenvolvem diabetes tipo 2 tem maus hábitos alimentares.

Outra questão relevante a ser comentada é que boa parte dos medicamentos para controle do diabetes acarretam no ganho de peso sendo que o fato de Glifage contribuir para eliminar alguns quilos destaca essa condição.

Mas, não quer dizer que esse medicamento tenha sido desenvolvido para emagrecer os pacientes que o tomam. O medicamento não realiza emagrecimento em pessoas NÃO são diabéticas e pode trazer sérios prejuízos para a sua saúde.

Contraindicações

O medicamento Glifage é contraindicado numa série de casos, gestantes e lactantes não devem fazer uso do mesmo. Pacientes que sofrem de insuficiência renal não devem tomar Glifage assim como pessoas que tenham passado por algum tipo de quadro clínico de desidratação como aqueles com vômitos e diarreias.

Pacientes que apresentem complicações cardíacas não podem tomar Glifage. Outro impedimento ao uso desse medicamento é o alcoolismo. É fundamental consultar um médico, pois mesmo que você seja diabético pode ter alguma dessas contraindicações que podem tornar arriscado a administração desse medicamento.

Efeitos colaterais de Glifage

Esse é um medicamento que pode trazer uma série de efeitos colaterais como vômitos, náuseas, diarreias e gases. Alguns pacientes relataram dores de cabeça e alterações no seu paladar. Embora raros também já foram observados pacientes com quadros clínicos de hipoglicemia e de dificuldade para absorver vitamina B12.

Tiveram casos de hepatite e alergias na pele. Por fim o medicamento pode causar um quadro de acidose lática que gera uma sensação de fraqueza muscular e que se mostra extremamente perigoso. Tenha atenção a possibilidade de interação entre esse e outros medicamentos.

Diferentes dosagens de Glifage

O medicamento pode ser encontrado em versões com diferentes dosagens, os pacientes devem ter atenção a posologia recomendada pelo médico. A versão GlifageXr 500 mg normalmente tem a recomendação de apenas 1 comprimido por dia, porém, é claro que depende do estado clínico do pacientes podendo chegar a até 4 comprimidos por dia por um período curto.

A segunda versão encontrada é GlifageXr 700 mg sendo que também é recomendada a posologia de apenas 1 comprimido por dia podendo chegar a 3 comprimidos por dia.

O medicamento GlifageXr 1g é recomendado para pacientes que já passaram por tratamento com medicamentos que contêm metformina sendo que a recomendação é ingerir 2 comprimidos durante o jantar.

As doses desses medicamentos podem variar de caso para caso e cabe ao médico averiguar qual é a necessidade do organismo de cada paciente.

Pode acontecer overdose de Glifage?

Um ponto positivo da administração de Glifage é que ele é relativamente seguro em relação a overdose.

É possível ingerir até 85 gramas do medicamento sem apresentar hipoglicemia. Porém, isso não significa que se pode tomar uma dose muito alta desse medicamento sem riscos, a acidose lática é uma das possíveis consequências.

Somente um médico pode avaliar a real necessidade de tomar esse medicamento e a dose que deve ser ingerida.